segunda-feira, 21 de março de 2011

Educação, ludopédio e o futuro: um garoto bom de bola e bom na escola.

Obtive o prazer de conhecer o Prof. Laudenir há alguns anos. Até então o seu nome era sinônimo de competência, dedicação, inteligência. Depois desse encontro tudo o que era falado confirmou-se, vida à sapiência! Hoje tenho orgulho de relatar a importância de lecionar em uma mesma Instituição em que este professor faz parte, ativa, do Corpo Docente. A escola necessita de professores deste calibre, comprometidos, independentes do ranço que destacam escolas particulares e públicas. Homens (seres humanos) que amem sua profissão. Não é de outro modo que seus discentes da Faculdade, discípulos, traçam o mesmo rumo, seguem o paradigma e numa das conversas em nosso horário de intervalo ele me apresentou um texto, de um jovem da escola pública aqui de Taquaritinga, que durante o 5º ano do Ensino Fundamental I foi aluno de sua ex-discente, na Faculdade, na Escola Municipal Edna Bergamasco Scrivanti e, hoje, é seu aluno na Escola Estadual Carmela Morano Previdelli.

O garoto com seus onze anos de idade faz um relato, através de seu trabalho de História, comovente, dotado de conhecimento de mundo e, também, especializado nas regras pertinentes ao universo da Língua Portuguesa.

Abaixo a autobiografia do jovem Adriel Joel dos Santos Ferreira do 6º ano B.



“Eu nasci em Taquaritinga no dia 17-12-1999 desde quatro anos percebi que a vida é longa e temos tempo para tudo, quando era pequeno só pensava em me divertir, quando fui crescendo fui tendo milhares de idéias e me lembro que quando era pequeno o que mais gostava de fazer era brincar com os primos e ir para a igreja.

Quando tive sete anos percebi que a vida era mais do que isso, que tinha que estudar para conseguir um bom emprego, aos oito anos fui pensando no que faria quando crescer e foi quando me despertou a vontade de jogar futebol.

Aos nove anos estava indo muito bem na escola para ter um bom trabalho, comecei a pegar jeito no futebol jogando na rua com os meus amigos.

Aos dez anos percebi que a melhor posição para eu jogar seria como goleiro.

Agora tenho onze anos e pretendo chegar a ser goleiro, mas para isso tenho que estudar muito".



Um comentário:

Blog do Psicólogo do Amor Thiago de Almeida disse...

O Prof. Laudenir faz jus a todos os bons comentários que lhe são dirigidos,